Performance e Contexto

performance, registo audiovisual e reflexão em torno de objectos artísticos, no campo da performance musical.

Intérpretes

Estudantes de Licenciatura, Mestrado e Doutoramento, Docentes da ESML e convidados

Obras

Música instrumental a solo, Música contemporânea, música antiga, música de câmara, Ópera e Canto, jazz

Textos

Textos de reflexão sobre contextos e processos, por forma a aprofundar a discussão sobre métodos de procura, recolha, arquivo e interpretação

Entrevistas

Na primeira pessoa: depoimentos e/ou entrevistas com os músicos envolvidos no processo performativo.

julho 04, 2019

Essay VIII: a key work in the piano output of Christopher Bochmann

Abstract: Christopher Bochmann's pianistic language is based on a fairly conventional instrumental technique, inherited from the 19th century pianistic tradition, yet encompassing characteristic features developed by authors associated with the 2nd Viennese School and post-serialism, as well as significant experiences in the fields of free forms and aleatoric music. The permeability to a neoclassical sensibility, probably stimulated by contact with Nadia Boulanger in the formative years, has remained over time and manifests itself from time to time, both in the use of techniques, genres and forms of the past, but also, more comprehensively, in a constant search for balance and proportionality, across all of Bochmann’s works. From 1991, the year he composed Essay VIII, for solo piano, Bochmann inaugurated his maturity phase, based on what he calls a “unified technique”. The significant consistency of his instrumental language from then on results, to a large extent, from the synthesis of previously…
outubro 02, 2019

Música contemporânea em instrumentos antigos

Tendo caído em desuso na segunda metade do século XVIII, a flauta de bisel não sofreu as modificações tecnológicas a que foram submetidos os outros instrumentos de sopro ao longo do século XIX. O revivalismo dos instrumentos antigos a partir dos finais desse século, levou Arnold Dolmetsch a construir cópias de flautas de bisel barrocas e o instrumento adquiriu uma enorme popularidade ao longo do século XX.Até cerca de 1960, compôs-se um acervo de obras para este instrumento, geralmente num idioma neoclássico. Na década de 60, Frans Brüggen desenvolveu uma carreira internacional de grande sucesso. Para incluir nos seus recitais a solo, aquele flautista holandês encomendou obras a compositores contemporâneos, que num estilo mais vanguardista procuraram explorar inesperados recursos do instrumento, ultrapassando as fronteiras daquilo que aparentava ser o seu carácter delicado, contribuindo decisivamente para a ampliação das suas possibilidades técnicas, dotando novas gerações de instrumentistas de ferramentas utilizáveis também…
julho 13, 2018

Técnica de Pizzicato de Três Dedos

A abordagem técnica de Niels-Henning Ørsted Pedersen (NHOP) (1946 - 2005) ao contrabaixo é inovadora no sentido em que pressupõe a utilização dos três dedos da mão direita (indicador, médio e anelar) para a execução de pizzicato, ao passo que grande parte dos mais conceituados contrabaixistas da história do jazz (ex. Ray Brown, Paul Chambers ou Ron Carter) utilizam apenas dois (indicador e médio) ou mesmo só um (indicador) (Carter, 1998). NHOP, através desta técnica inovadora, contribuiu para o destaque do papel do contrabaixista no jazz, nomeadamente em termos do acompanhamento e improvisação. Esta permitiu-lhe executar melodias, linhas de acompanhamento e improvisações a tempos rápidos (mais de 200 BPM). A música registada por NHOP é reconhecida pela sua qualidade sonora em termos da articulação das notas, o que constitui um considerável desafio no contrabaixo devido ao registo grave do instrumento (Butterfield, 2008). Esta abordagem técnica singular ao instrumento levou-me a…
maio 27, 2019

Piano improvisation in the context of solo performance

Professor Iñaki Sandoval visited Escola Superior de Música de Lisboa in October 2018, conducting a series of talks, masterclasses and a solo piano recital where he discussed and developed the process of improvising in the context of a solo setting. The aim of this project is to explore musically and in terms of artistic and philosophical reflection the circumstances behind the improvisational process with a focus on piano solo performance.     Credits: Suite for piano #2 "Mimesis", in in B minorHarmonic Etudes Compoded by Iñaki Sandoval From the CD/DVD: "Estonian Suite: Live In Tallinn (Bebyne Records, 2017)
julho 03, 2019

A inscrição textual na música de câmara instrumental: uma proposta interpretativa

“(...) I don’t think you can speak about music. You can only speak about a subjective reaction to it.” (Barenboim e Said, 2004:123)   As obras interpretadas neste registo em vídeo foram escolhidas para esta formação de câmara – violino, violoncelo e piano – em função dos títulos inscritos pelos respetivos compositores. No processo de trabalho em grupo, a especulação sobre as inscrições textuais foi o mote para a exploração deste programa, como se de um guia interpretativo se tratasse. Nesta medida, e ao longo de vários meses de trabalho, a orientação desta formação de câmara passou por várias etapas de estudo onde a leitura, análise e diversas apresentações públicas foram moldando o discurso musical e suscitando um intenso debate na procura de uma “narrativa” comum para a sua comunicação em performance (recital). Uma das etapas mais difíceis para os alunos (com diferentes idades e passado musical, cultural e social),…
maio 25, 2019

'MULTIDÃO' | Monodrama para Contratenor e Ensemble Instrumental

A presente investigação decorre da falta de repertório contemporâneo português específico para a voz de contratenor. Aproximadamente na década de 1950, esta voz foi alvo de uma redescoberta através do trabalho de nomes incontornáveis como Alfred Deller. Ao reaparecimento deste “novo” tipo de voz está aliada a crítica de alguns músicos que sublinham o facto de se tratar de uma voz falsa (do italiano falsetto – diminutivo de falso ou false), que recorre ao uso do falsete, privada de harmónicos que apenas se alcançam com o registo “natural” da voz. Desta forma, este projecto tem como objectivo principal contribuir para estimular em Portugal a criação de repertório contemporâneo para este tipo de voz.Este estudo surge a partir de uma colaboração entre os compositores Pedro Finisterra, Miguel Diniz e Diogo da Costa Ferreira, e o libretista Nuno Cruz, que criaram para o efeito uma obra para um cantor, agrupamento instrumental e…
janeiro 11, 2017

A voz instrumental: Perspectiva dos cantores de jazz sobre a interpretação e improvisação

A voz instrumental constitui-se enquanto ferramenta de interpretação e improvisação musical utilizada por cantores desde os primórdios do jazz. Tendo-se modificado esteticamente ao longo dos séculos XX e XXI, é uma abordagem que envolve uma considerável liberdade criativa e que se verifica tanto no contexto mais hermético da música escrita, como no seio da música improvisada. Uma vez que a voz parece estar a assumir um papel cada vez mais relevante no contexto da música instrumental e improvisada, impõe-se a necessidade de compreender as dimensões que esta poderá adoptar, assim como indagar de que forma o cantor de jazz poderá explorar o carácter instrumental da interpretação vocal. Através desta investigação, proponho contribuir com uma análise sobre questões sobejamente debatidas de forma subjectiva pelos músicos de jazz, mas pouco examinadas objectivamente. Irei, assim, debruçar-me sobre o fenómeno da utilização da voz enquanto instrumento - sem recurso a texto (música sem letra,…
dezembro 31, 2018

Kinderszenen Op.15

Childhood was an ideal subject in every field of art, including music. The Romantics had a tendency to portray everything that was poetic and elusive, and Robert Schumann was highly influenced by this topic.  In 1833 Schumann wrote, “In every child is found a wondrous depth”.     Kinderszenen Op.15, written in February 1838, was Schumann’s first composition linked to the theme of childhood.  What makes this piano cycle unique and different from some of his later piano works inspired by this topic, such as Für der Jugend Op.68, Ballscenes Op.109 or Drei Clavier-Sonaten für die Jugend Op.118, is the fact that Kinderszenen were not composed with a pedagogical objective.  The music was not intended for kids to play, but rather they were composed for adults.  In Schumann’s own words, Kinderszenen were “retrospective glances by a parent and for adults.”  Schumann originally wrote 30 pieces for the work but selected 13 miniatures for its final version. …
janeiro 05, 2018

Sonata n.º 3 de Paul Hindemith e Sonata n.º 32, op. 111 de Beethoven

A Sonata n.º 3 de Paul Hindemith e a Sonata n.º 32, op. 111 de Beethoven integraram o meu recital final de Mestrado em Música 2016/2017. A razão pela qual escolhi apresentar estas obras em recital, para além do valor musical, foi essencialmente pelo prazer de divulgar a minha interpretação de uma obra ainda pouco conhecida, por um lado, e de divulgar uma nova leitura face a uma obra consagrada, por outro. As diferenças de estilo e de caráter que marcam estas obras tornaram possível também a exposição da minha versatilidade enquanto intérprete. De uma forma geral, tentei abordar os vários aspetos relacionados não só com os compositores e com as obras, mas também o seu contexto histórico e social, de forma a definir melhor o seu pensamento e ideais estéticos. Revelou-se gratificante a pesquisa histórica (ainda que pouco pormenorizada), pois fiquei mais consciente do impacto dos acontecimentos, das descobertas,…

          Logo IDICA horizontal 500px         

Todos os direitos reservados - Escola Superior de Música de Lisboa - CESEM - Pólo IPL | 2018

Search